sábado, 22 de fevereiro de 2014

BRASIL: RJ: NITERÓI: 
Recolhimento de Santa Tereza em Itaipu 
 (Museu de Arqueologia de Itaipu) - 
The Refuge of Saint Therese in Itaipu

1 – Localização:
Município de Niterói. Itaipú. Praia de Itaipú s/n(22°58'17.04"S, 43° 2'41.71"O)
2 – História:
O Recolhimento de Santa Tereza foi construído pelos padres Manuel Francisco da Costa e Manuel da Rocha com a cooperação do provisor do Bispado Antônio José dos Reis Pereira e Castro, em homenagem a Santa Teresa, a partir de uma capela erguida em 1721 e ligada à matriz da freguesia de São Sebastião de Itaipu.
Unido á Matriz existe um Recolhimento para mulheres, a quem agrada o retiro do Século ou algumas circunstancias obrigam à habita-lo por castigo de culpas. A' diligencias de Manoel da Rocha, fundador , a quem intituláram Protector do Bem Commum, do Vigário sobredito, e do entaõ Provisor do Bispado Antonio Jozé dos Reis Pereira e Castro, Mestre Escola que era da Sé, foi levantado esse edifício sob a dedicação de Santa Thereza, que principiou em uso com a entrada das primeiras habitadoras recolhidas a 17 de Junho de 1764. Sendo defeso aos Bispos facultar semelhantes erecçoens, e naõ podendo ellas subsistir sem Autoridade Regia, assim mesmo foi continuando a Casa no exercicio do seu destino, até que por effeito das Representaçoens do R. Bispo D. Jozé Joakim Justinianno, e do Vice-Rei Luiz de Vasconcelos e Souza, Houve por bem a Rainha N. S. de confirmar a sua instituição, e permittir-Ihe o uso, com que principiara. Para esse lugar ou se vai por caminho de terra, passando pelo districto da Freguezia de S. Joaõ de Carihy, ou por mar, saindo a barra da Cidade”. (Araújo, 1820, vol. 4, pg. 96)
Era destinado a abrigar mulheres que pretendiam seguir a vida religiosa, órfãs, mulheres de "vida fácil", as que haviam engravidado ou mantido romances antes do matrimônio, viúvas, mulheres casadas abandonadas ou a outras, por castigos de culpas ou ainda como forma de castigo para moças solteiras, que se insurgiam contra as determinações dos pais principalmente por motivo de casamento ou a aquelas que ali eram instaladas por seus pais ou maridos quando estes saíam em viagem. O tempo de permanência na instituição era determinado pelo patriarca da família e a internação no estabelecimento requeria o pagamento de um dote pela família e a aprovação da Corte. As primeiras moradoras chegaram em 17 de junho de 1764. Em 1799, havia 13 recolhidas, além 13 mulheres casadas, segundo um relatório de visitadores. De acordo com as Cartas de Visitas Pastorais de 1811/12, em 1812 ainda existiam mulheres no estabelecimento, mas, num estado de muita pobreza. Em maio de 1833, com o prédio já vazio, o vigário João de Moraes e Silva instituiu naquela área um asilo para menores, o qual durou pouco tempo. A partir desta última informação, não se tem mais documentos que mencionem o Recolhimento de Santa Teresa de Itaipu, havendo, portanto, um hiato na pesquisa histórica da instituição durante o restante do século XIX. No século XX, o local foi abandonado, não se sabe exatamente por qual motivo, e passou a servir de moradia para os pescadores da região, os quais construíram várias pequenas habitações no interior de suas ruínas e passaram a habitá-lo e a utilizá-lo como espaço para tingimento das redes de pesca; no entorno da muralha surgiu uma aglomeração de residências de pescadores. A capela do recolhimento chegou a ser, inclusive, utilizada como cadeia. Em 1968, inicia-se a obra de consolidação e conservação-restauração da capela e das paredes de rocha das muralhas. Atualmente no local funciona o museu arqueológico de Itaipu.
3 – Descrição:
O conjunto de ruínas tem a forma retangular (46,4m x 26,6m) com orientação geral nordeste-sudoeste, frente virada para noroeste e maior eixo no sentido transverso. Compõem-se das ruínas do recolhimento e da capela. Construído em alvenaria de pedra, com argamassa composta de conchas trituradas, areia e argila, a edificação possui janelas e portas com cercadura de cantaria. A poucos metros do recolhimento fica a Igreja de São Sebastião de Itaipú. No portal simples de entrada existe uma inscrição quase ilegível, a qual data o prédio em 1785. Por ele se chega a um grande pátio interno. À sua esquerda fica um pequeno aposento com duas portas para o pátio central, hoje em dia parcialmente construído e servindo de recepção e museu. Depois do pátio há outra área menor com janelas e portas para o grande pátio. Também dando para o grande pátio está a capela. À direita do grande pátio há um conjunto de três aposentos centrais. Mais à direita dois grandes cômodos, um na frente do outro. Atualmente o chão está coberto de grama e falta o telhamento de todos os cômodos. Algumas portas e janelas estão também, cobertas.
            A capela tem orientação noroeste-sudeste, com frente para noroeste e maior comprimento no sentido ântero-posterior. O telhado é de telhas em duas águas, com uma cruz no topo. A entrada dá para o grande pátio. O interior virou museu, não tendo nada da antiga capela. Na sua fachada anterior há uma porta de verga curva; parece que havia portas nas laterais, já tampadas.
4 – Visitação:
Terça-feira à sexta-feira de 10:00 às 17:00. Sábados, domingos e feriados, de 13:00 às 17:00. Tel. 3701-2966 e 3701-2994
5 – Bibliografia:
ARAÚJO, José de Souza Azevedo Pizarro e. Memórias Históricas do Rio de Janeiro e das Províncias anexas à Jurisdição do Vice-Rei do Estado do Brasil, vol. 4. Rio de Janeiro: Impressão Régia, 1820.


The Refuge of Santa Tereza: Brazil, State of Rio de Janeiro, City of Niteroi
     The Refuge of Santa Tereza was constructed by Manuel da Rocha in honor of Santa Teresa, from a chapel built in 1721 and connected to the parish of San Sebastian de Itaipu. It was intended to house abandoned married women, women who wanted a isolated life or other, who, by guilt or punishment and as punishment for unmarried girls, who rebeled against determinations of parents about their marriages. The first residents arrived in June 17, 1764. In May 1833, with the building now empty, the vicar João de Moraes e Silva instituted in that area an asylum for children, which was short-lived. Abandoned, the site began to serve as housing for local fishermen, who built several small houses within its ruins. Currently, althoug in ruins, some of its rooms house the Archaeological Museum of Itaipu.
Imagem Google Earth


Vista do satélite google. Observe que as ruínas não são telhadas. O telhado 2 águas  no centro corresponde á capela. As outras construções são modernas e fazem parte  do museu, sanitários, etc.





Parede anteriorantes de 1941
Parede anterior com porta para o Cômodo 1 (foto do autor)
Parede anterior (foto do autor)
Parede anterior (foto do autor)
Parede anterior (foto do autor)


Portão de entrada visto de dentro, antes de 1941
Capela, face anterior, em uma foto antiga

Capela, face anterior desde o Cômodo 1 (foto do autor)
Capela. Lado direito junto à parede de um cômodo do recolhimento, desde o Cômodo 4
 (foto do autor)

Capela, lado direito, desde o Cômodo 7 (foto do autor)
Capela, lado esquerdo, desde o Cômodo 2. Observe o que parece a forma de uma
 porta e uma janela fechadas na parede da capela (foto do autor)



                                 
                                               Ruínas do Recolhimento em uma foto antiga
Ruínas do Recolhimento em uma foto antiga


Cômodo 1, olhando para fora (foto do autor)


Vista do Cômodo 1 para o 2 (foto do autor)
Cômodo 1, olhando para a esquerda (foto do autor)

Cômodo 2, olhando para o Museu
 (foto do autor)
Cômodo 2, olhando para capela (foto do autor)
Cômodo 2 olhando para o 1 (foto do autor)
Cômodo 2 olhando para o Museu (foto do autor)
Ruínas do cômodo 3 olhando para o 6
(foto do autor)

Vista do Cômodo 1 , através do 3 até o 6 (foto do autor)
Vista do Cômodo 1 , através do 3 até o 6 (foto do autor)
Cômodo 7 (foto do autor)

Ruínas (foto do autor)
Ruínas (foto do autor)
Ruínas (foto do autor)
Ruínas (foto do autor)
Ruínas (foto do autor)

Maquete, vista desde o lado esquerdo
 (foto do autor)
Maquete, vista desde a parede posterior (foto do autor)
Maquete, vista desde o lado direito
(foto do autor)
Maquete, vista desde a frente: Cômodos 1 , 2, Capela, 3, 4 e 5 (foto do autor)
Maquete, vista desde a frente: Cômodos 6 e 7 (foto do autor)
Maquete, vista desde a frente: Capela e Cômodos, 3, 4, 5, 6 e 7 (foto do autor)

Maquete, vista desde a frente (foto do autor)