domingo, 22 de fevereiro de 2015

ISRAEL: JAFFA:
Cidade Antiga de Jaffa - 
Old Jaffa City

       A cidade foi mencionada em fontes egípcias e nas Cartas de Amarna como Yapu. Mitologia diz que é nomeada a partir de Jafé, um dos filhos de Noé. A tradição helenista liga o nome à Iopeia ou Cassiopeia, mãe de Andrômeda. Um afloramento de rochas perto do porto tem a fama de ter sido o local onde Andrômeda foi resgatado por Perseus. Plínio, o Velho associado o nome com Jopa, filha de Éolo, o deus do vento. O geógrafo árabe Al-Muqaddasi refere a ele como Yaffa. Tel Yafo (Jaffa Hill), uma altura de 40m, oferece uma vista dominante do litoral, tendo por isso uma importância estratégica na história militar. O acúmulo de detritos e aterro ao longo dos séculos fez a colina ainda maior. O porto natural de Jaffa tem sido usado desde a Idade do Bronze. 
Datação
Idade Média do Bronze II B (1.900/1.800 AC- )
     Cananeu: Jaffa VIII
Idade Média do II B-C ( -1.550/1.500 AC)
     Cananeu: Jaffa VII
Idade do Bronze Tardia I (sec XVI-XV)
     Cananeu sob domínio Egípcio: Jaffa VI
Idade do Bronze Tardia IIA (sec XIV)
     Cananeu sob domínio Egípcio: Jaffa V (placa da deusa Qudshu, Escaravelhos de Amenófis III, Templo do Leão)
Idade do Bronze Tardia IIB (sec XIII e XII)
     Cananeu sob domínio Egípcio: Jaffa IV (Portão de Ramsés II, fragmento de estátua egípcia)
Idade do Ferro I (séculos XI-X)
      Filisteu Jaffa III
Idade do Ferro II (séculos VIII-V)
     Jaffa II: Persa (539-332 AC): Fortaleza sidonia  
Helenística (332-31 AC)
     Jaffa I: Grega (332-143 AC) e Judia (143-31 AC)
Romana (31 AC-330 DC) e Bizantina (330 DC-636)
     Judia (31 AC-68 DC) e Greco-Romana (68 DC-636 DC) 
Medieval (636-1515)
     Árabe (636-1099), Cruzada (1099-1268) e Árabe Mameluca (1268-1515)
Otomana (1515-1917)
     Árabe sob domínio turco
Mandato Britânico (1917-1948)
     Árabe sob domínio britânico
Israelense (1948 em diante)
      Israelense

Idade Média do Bronze (Níveis VIII-VII) (1.900/1.800 a 1.550/1.500 AC)
       Escavações desenterraram pelo menos 8 níveis da Idade do Bronze Média até o Período Helenístico. Jaffa era um porto cananeu fortificado e foi habitada continuamente desde a Idade do Bronze Médio (1.900/1.800 a 1.550/1.500 AC). Jaffa VIII (Idade do Bronze Médio IIB) era uma cidade fortificada com um portão com fundações de pedra com torres formadas por pilastras com muros entre elas. Flanqueando os lados do portão não havia um muro, mas havia, em vez disso, um contraforte de terra batida, feita de kurkar (arenito) esmagado, datando do século XVIII AC; um muro de tijolos descansava diretamente sobre os contrafortes. Supõem-se que o recinto amuralhado era quadrado, com uma área estimada em cerca de 3 hectares. Jaffa VII (final do século XVII até o início do século XVI) tinha dois muros de tijolo cru entre os quais se desenvolveu um estabelecimento que durou até o nível IV.
Idade do Bronze Tardio I (Estrato VI) (1.550/1.500- final do século XV)
Jaffa prosperou como porto cananeu e foi mencionado pela primeira vez na lista das cidades subjugadas pelo faraó Tutmsés III (ca. 1482-1428 AC) após sua vitória na batalha de Megido (ca. 1468 AC) contra uma coalizão cananéia liderada pelo rei de Kadesh, que culminou na subjugação da costa cananéia e da Galiléia. Nenhum um nível de destruição, até agora, foi associado com o que se presume ser o início do domínio egípcio em Jaffa, no reino de Tutmsés III, embora se considere que ele foi o responsável pela fundação da primeira fortaleza egípcia em Jaffa. Embora as fontes históricas não esclareçam exatamente quando Jaffa se tornou uma fortaleza egípcia, parece provável que isso aconteceu em seguida à conquista de Tutmsés III, quando o local teria sido transformado em uma fortaleza que servia para fazer os preparativos e para suprir as forças egípcias em campanha em toda Canaã. Durante a Idade do Bronze Final (1550-1200 AC) Jaffa serviu como um centro administrativo do Novo Império Egípcio. Apesar do silêncio quase total de fontes egípcias relativas à situação de segurança em Jaffa, a fortaleza não era um lugar de paz nos anos imediatamente seguintes à sua construção. Após cerca de 60 anos de ocupação (cerca de 1400 AC), os cananeus se insurgiram contra a fortaleza egípcia, o que foi registrado no conto egípcio chamado "A captura de Jope" (Papyrus Harris 500). Na verdade, a história narrada em "A captura de Jope", que é geralmente considerada como simplesmente uma ficção literária produzida mais de um século mais tarde, durante o período Raméssida, menciona a retomada de Jaffa por tropas egípcias que foram levadas para a cidade escondidas em 200 grandes cestos, como presentes para o governador da cidade, enviados pelo comandante egípcio Djehuty nome comum no final do século XV AC. A presença de uma grande coleção de cerâmicas egípcias recuperadas de um nível de destruição da Idade do Bronze Tardio inicial (final do século XV AC, LB IB) sugere que a fortaleza inicial de Jaffa foi alvo de resistência local contra as forças egípcias. Embora essa destruição não reflita os acontecimentos deste conto egípcio, ela fornece uma base para a compreensão de como a cidade, de fato, pode ter sido perdida pelos egípcios e retomada logo em seguida. Embora não se possa ter certeza de que a retomada egípcia de Jaffa ocorreu da maneira registrada nesta história, a terrível destruição praticada contra a fortaleza egípcia, dentro da qual predominavam cerâmicas de formas egípcias, fornece evidências do sucesso de insurgências cananéias, que continuaram a desafiar até mesmo os pontos mais fortes de controle egípcio, mesmo depois de mais de um século de atividade militar egípcia em Canaã. A maior parte da evidência arqueológica para a destruição de Jaffa no final do século XV consiste nos restos do que poderia ser chamado de complexo de cozinha dentro da fortaleza e logo ao sul do portão. Aqui foram recuperados mais de 70 vasos completos ou restauráveis ​​cobrindo uma vasta gama de formas egípcias produzidas localmente ou importadas. Um fosso de cozinhamento contendo mais de vinte jarras de cerveja e taças de dejetos, uma roda de oleiro, e um caco de polimento foram encontrados dentro deste complexo, ilustrando a estreita ligação entre a preparação de alimentos e produção de cerâmica na cultura egípcia, em contraste com as práticas dos cananeus, que normalmente separavam estes aspectos. A ausência quase total de cerâmica cananéia nas primeiras coleções de utensílios, o que contrasta com as quantidades de formas cananéias presentes durante todo o restante da Idade do Bronze Final, sugere um período inicial, na segunda metade do século XV AC, quando os egípcios foram obrigados a ser mais auto-suficientes em face das relações obviamente mais tensas com os cananeus nos arredores de Jaffa. Tanto quanto pode ser determinado a partir das percentagens relativas das coleções de cerâmicas cananéias de Jaffa durante a Idade do Bronze Final, parece ter havido um aumento gradual no percentual de cerâmica cananéia ao longo do tempo, o que sugere que os cananeus estavam cada vez mais integrados nas operações da fortaleza ao longo do tempo.
            A característica mais impressionante da Jaffa antiga e que justifica a sua identificação como uma fortaleza, foi o enorme complexo do portão egípcio, que, a partir de sua primeira fase, foi construído com torres retangulares de tijolos de barro com mais de 18m de comprimento e 5m de largura, separadas por uma passagem de nível de 4 m de largura. Portões de construção e dimensões comparáveis ​​apenas são atestados nos sítios egípcios durante este período, enquanto que as passagens dos portões cananeus eram mais estreitas e tradicionalmente empregavam três pilares em cada lado do corredor de passagem. Havia muros de tijolos da fortificação que ladeavam a frente do complexo do portão, preservados em alguns lugares em mais de 2m de altura, embora originalmente eles podem ter alcançado até 10 m de altura com base em paralelos egípcios. Jaffa VI se caracteriza por vestígios de casas em tijolo cru construídas sobre fundações de cascalho, técnica de construção de Canaã, e não egípcia.
Idade do Bronze Tardio IIA (Estrato V) (século XIV)
A cidade é caracterizada como uma fortaleza e centro administrativo egípcio nas tabuletas de el-Amarna com o nome de Ya-Pho. Importantes restos do período Amarna foram descobertos (na Área de N). Este centro incluía um grande celeiro, em que trabalhos de corvéia eram feitos por trabalhadores enviados por cidades-estados vizinhas. As cidades-estados também foram obrigadas a enviar guardas para servir no portão do forte. A evidência literária dos dias de Ramsés II, ou seja, Papiro Anastasi I, mostra que, durante esta época, Jaffa continuou a servir como um reduto político e administrativo egípcio. Jaffa V (século XIV) tinha um silo de pedra.
A evidência para uma destruição precoce da fortaleza de Jaffa poderia ser descartada como uma ocorrência única se não fosse pelas evidências de repetidas interações violentas entre egípcios e cananeus em Jaffa durante o restante do governo egípcio. Durante o período de Amarna (ca. 1400-1300 AC) os vestígios arqueológicos do portão egípcio revelaram vários episódios de reparação e reconstrução, antes e depois de mais uma grande destruição, que foi ainda mais claramente o produto da guerra e do conflito que pairava sobre os habitantes desta fortaleza. Escavações desta destruição revelaram que o colapso da torre sul para dentro do complexo do portão encheu o corredor de passagem com 20 camadas perfeitamente definidas de tijolos de barro. A estrutura das torres incorporava vigas de madeira, provavelmente de cedro. Uma vez que estas vigas foram usadas não só dentro das torres, mas também ao longo dos lados do corredor de passagem, possivelmente para separar o primeiro do segundo andar das torres, a intensidade da queima sugere que um esforço considerável foi necessário para destruir com sucesso estas estruturas. Foram recuperados dos restos da torre sul, um escaravelho monumental de Amenhotep III (1386-1349 AC), que foi preso a um colar com mais de 500 contas, outro escaravelho menor com o nome desse faraó, e vários fragmentos de chifre. A transição entre os reinados de Amenhotep III e de Akhenaton (Amenhotep IV) (ca. 1350 AC) é a data mais provável para essa destruição. Tais transições também foram muitas vezes perturbadas por insurgências que testavam a intensidade do compromisso do novo faraó no controle de Canaã. Vários episódios de depósitos de areia trazida pelos ventos acumularam-se durante o processo de reconstrução entre cada uma das camadas de nivelamento acima dos escombros de destruição do portão prévio do período Amarna. Esta evidência sutil aponta para o fato de que o novo portão não foi construído sob condições ideais, como são encontrados durante o verão, mas sim nas condições meteorológicas do outono ou do início da primavera. Uma vez que é provável que a insurgência procurou explorar a retirada das forças egípcias no final da campanha do verão, o final do verão ou início do outono são os períodos mais prováveis para o ataque à fortaleza com a sua reconstrução realizada quase que imediatamente pelos egípcios, que parecem ter logo recuperado sua fortaleza. A recuperação da fortaleza, pouco depois de sua destruição, revela o importante papel desempenhado por Jaffa na administração egípcia e em seus objetivos militares. Na verdade, as cartas de Amarna apontam para a existência de celeiros egípcios em Jaffa, que armazenavam grãos, produzidos na planície costeira em sítios como Aphek, para os exércitos egípcios que se moviam de Jaffa para o interior e para o norte.
       Na medida em que a destruição do portão revela a gravidade da insurgência cananéia, a reconstrução quase imediata do portão, que foi reconstruído com um plano idêntico, mas 2m acima do portão anterior, revela a determinação dos faraós egípcios em manter seu controle sobre Jaffa. As porções restauradas do novo portão foram construídos com tijolos cinza (45 x 20 x 12cm), enquanto que no restante das torres do portão reutilizaram a fase anterior da sua construção, quando tinham sido construídas com grandes tijolos de cor amarela até  alaranjada (45 x 45 x 12 cm) com um elevado teor de areia. A impressionante adesão ao plano original do portão é em si uma prova da continuidade da presença egípcia no local, que, apesar da violência episódica que experimentou, nunca testemunhou o renascimento de uma cidade cananéia durante a Idade do Bronze Final. Esta nova estrutura do portão, mais uma vez contou com um corredor de passagem de 18m de comprimento e 4m de largura, mas desta vez apoiado por uma espessa fundação de rochas, pedras e seixos retirados da beira do mar e recobertos com uma camada de terra compacta. Embora poucos artefatos tenham sido recuperados entre os seus alicerces, um pequeno amuleto em forma de escaravelho foi encontrado. Entre os tijolos cinzentos deste portão também se achou o fragmento superior de uma placa da deusa Qudshu. Apresentando influências da iconografia religiosa tanto cananéia quanto e egípcia, este estilo de estatueta testemunha a natureza embaralhada das relações do Egito e de Canaã em Jaffa, como em outros locais em Canaã durante este período.
         O Templo do Leão também data desta época (ver embaixo nesta postagem). Incorporado na parede de tijolo cinzenta do portão do Estrato IVA (Área J), foi achado um enorme escaravelho real com uma inscrição de oito linhas em hieróglifos. A inscrição mostra o nome e títulos de Amenhotep III, rei do Egito no século XIV AC, o nome de sua esposa Tiy, e a declaração de que até o décimo ano de seu reinado, o rei tinha caçado com sucesso cento e dois leões. Tais escaravelhos reais foram distribuídos a todos os funcionários em todo o império. Embora a inscrição não tenha sido encontrada in situ, ela ilustra o importante papel de Jaffa dentro da administração egípcia. Outro escaravelho real portando apenas o nome de Amenhotep III foi encontrado em outra (anterior) fase do portão, mas, novamente, não in situ.
Escaravelho da Caça ao Leão de Amenófis III
 (Estrato V) (século XIV) 
Fragmento de placa da deusa Qudshu, Idade do Bronze Tardio IIA
 (Estrato V) (século XIV)
Idade do Bronze Age IIB, Fase Inicial (Estrato IVB) (século XIII)
Parece que a primeira metade do século XIII foi mais estável, não havendo provas para a destruição do portão. No início do reinado de Ramsés II (ca. 1279-1213 AC) o portão, já com décadas de idade, foi remodelado e equipado com uma fachada de pedra monumental contendo os nomes e títulos do faraó. O portão da cidadela do século XIII AC tinha pedras aparelhadas e uma inscrição mencionando o Faraó Ramsés II. A primeira fase da torre sul do portão tinha uma largura de 5m. A torre foi formada de tijolos vermelhos e amarelos (barro vermelho [Hamra] e barro vermelho misturado com kurkar esmagado respectivamente). A secção sobrevivente do sudoeste da torre atinge uma altura de cerca de 2,50m acima do corredor de passagem. No lado norte do corredor de passagem, o muro era mais estreito e foi quase completamente demolido em períodos posteriores. Um estreito canal de drenagem feito de seixos corria pelo meio do portão (Área L). No lado ocidental do corredor de passagem do portão foram descobertas várias pedras da soleira interna do portão. Sua posição irregular indica que elas foram movidas de sua posição original antes do colapso do portão. Os blocos esculpidos em arenito kurkar local, com inscrições e rebocados e pintados com cal são as características mais evidentes da Jaffa egípcio até agora recuperados de escavações. Os fragmentos não foram encontrados, no entanto, in situ, mas foram reutilizados na reconstrução seguinte do portão, que teve lugar depois de seu reinado. O portão de Estrato IVB foi destruído em um intenso incêndio. Uma camada de destruição de cerca de 1,50m de espessura, que continha tijolos queimados e vigas de madeira carbonizadas caídas da superestrutura do portão, preenchia o seu corredor de passagem. As chamas também destruíram uma parte considerável da parede de tijolos da torre sul no lado voltado para o corredor de passagem do portão. Embora não seja totalmente claro que o estado final do portão de Ramsés II tenha sido o resultado de um ataque, os muros do corredor de passagem do portão já se erodindo justificaram a reparação, o que resultou em uma passagem mais estreita. As inscrições fixam uma data do século XIII AC para o portão do Estrato IVB.
          Um fragmento de estátua egípcia de quartzito com inscrições de um homem vestindo uma túnica amarrada no pescoço, com o braço esquerdo levantado para seu peito foi achado. Um pilar traseiro está posicionado diretamente atrás do homem, terminando logo abaixo de onde a cabeça se situaria; tem como inscrição uma típica fórmula de oferecimento egípcia. O contexto exato da estátua foi perdido, mas certas características da estátua datam de forma confiável a peça no período Raméssida. Com base na qualidade superior da pedra e inscrição, pode-se concluir com segurança que a estátua representa um funcionário egípcio que ocupava uma posição de alto escalão. Embora seja provável que a estátua tenha sido acidentalmente quebrada, o bloco como parece agora é, provavelmente, o resultado de sua reformulação para uso como material de construção.
Fragmento de estátua egípcia, visto de perfil
 Idade do Bronze Age IIB, Fase Inicial (Estrato IVB) (século XIII)
Idade do Bronze Tardia IIB, Fase Tardia (Estrato IVA) (século XII)
       O portão foi reconstruído no Estrato IVA sobre as fundações em ruínas. Os construtores repararam o lado destruído da torre sul com tijolos cinzentos retangulares. Os blocos de pedra gravados com os títulos de Ramsés II (proveniente do portão anterior), mas postos com as inscrições viradas para trás, foram reutilizados como esteios ao longo da base dos muros do corredor de passagem e como fragmentos de fundação para um piso um pouco mais elevado. Como é improvável que esta fosse a maneira com que os blocos esculpidos fossem tratados, se Ramsés II ainda estivesse vivo, esta reconstrução foi provavelmente o trabalho de seu sucessor, Merneptah (1213-1203), que restaurou o portão, após a sua ascensão ao trono, em seguida a atividades insurgentes que não entraram no registro histórico (ca. 1200 AC). O novo corredor de passagem seguiu o mesmo curso que o portão anterior, mas era cerca de 2m mais alto. O piso do corredor de passagem demonstra o enorme esforço investido em sua construção: os detritos colapsados do portão anterior foram cobertos com pedras e acima deles havia uma camada de pequenos seixos. A superfície foi coberta por um emplastro calcário impermeável. Um muro maciço de tijolos, cuja largura máxima foi de 3,20 m, era formado por tijolos retangulares de cor escura, semelhantes aos utilizados para reparar o portão posterior. Este espesso muro, orientado sudeste-noroeste, pode ter marcado o limite sul da cidadela ou envolvido parte dela no final dos séculos XIII e XII AC. Uma bancada descoberta em uma área pavimentada entre as paredes pode ter servido para a preparação de alimentos. Próximo a ela, um nicho rebocado em uma das paredes continha doze bacias "egípcias", a maioria delas intactas. Jaffa IV A (final do século XIII) teve a cidadela reconstruída com duas grandes entradas de 4m por 18m feitas de tijolo cinzento, com uma passagem de pavimento de pedras e seixos. Os centros egípcios em Jaffa, Aphek e talvez Gerisa foram violentamente destruídos, para nunca mais serem reconstruídos. As últimas descobertas datáveis provenientes dos três centros são do tempo de Ramsés II. Portanto, pode-se especular que o sistema egípcio em torno do rio Yarkon colapsou no final do reinado de Ramsés II, ou durante os primeiros dias de seu sucessor, Merneptah. A data do final do período do governo egípcio em Canaã foi aparentemente durante o reinado de Ramsés III (1186-1155 AC). Se a evidência para a destruição do complexo de portão de Ramsés II é ambígua, a destruição do portão reconstruído por Merneptah não é. Há impressionantes evidências da destruição da fortaleza do século XII. Dentro das cinzas que cobriam o limiar do portão havia uma dobradiça de bronze de 30kg da porta, orientada na direção que estaria quando o portão estava fechado, e preenchida com os restos carbonizados de madeira da porta na qual foram martelado pregos, que ainda se projetavam do invólucro. Seja ou não essa destruição associada com a revolta durante o reinado de Merneptah, o que pode ser o pano de fundo para as condições mencionadas na sua estela poética, é certo que no século XII, a fortaleza do Egito em Jaffa não era menos o foco de repetidos ataques por parte das forças de Canaã do que em qualquer ponto ao longo de sua história. 
Idade do Ferro I (sec XI-início X) e II (sec VIII a 539 AC) (Estrato III)
Jaffa é mencionada quatro vezes na Bíblia hebraica, como uma das cidades dadas à Tribo de hebraica de Dan (Livro de Josué 19:46), como porto de entrada dos cedros do Líbano para o Templo de Salomão (2 Crônicas 2:16, Livro de Esdras 3:7), como o lugar onde o profeta Jonas embarcou para Társis (Livro de Jonas 1:3). Jaffa é mencionada no Livro de Josué como a fronteira territorial da Tribo de Dan e embora ficasse no território atribuído a esta tribo, Jaffa não era uma cidade israelita, mas povoada pelos filisteus. Alguns arqueólogos julgam que a menção bíblica aos cedros do Líbano vindo ao “mar de Jaffa”, não quer dizer que eles viessem a Jaffa, que não era uma cidade israelita, mas que poderia se referir ao porto situado em Tel Kavile (na atual Tel Aviv). Uma lenda judaica diz que todo o tesouro afundado no mundo corria em direção a Jaffa, e que nos dias do Rei Salomão, o mar oferecia uma rica recompensa, explicando a riqueza do rei. De acordo com a lenda, desde a época de Salomão, o tesouro vem novamente se acumulando para vez ser distribuído pelo Messias, no Dia da Vinda "a cada um segundo os seus méritos".
O fim do período egípcio ocorreu associado à invasão dos Povos do Mar, no final do século XII, com o estabelecimento dos Filisteus na costa sul de Israel. Jaffa foi conquistada pelos Filisteus cerca de 1150 e permanecendo em sua posse até o século VIII AC.  Jaffa caiu sob o domínio do rei Uzias, de Judá (769-733 AC), mas logo depois foi conquistada pelos Assírios. Quando o rei Assírio, Sargão II, morreu, o rei Ezequias de Judá organizou uma revolta em Judá. Um de seus aliados era o rei de Askelon, que havia ocupado Jaffa, mas o novo rei Assírio, Senaqueribe, venceu-os em 701 AC e destruiu Jaffa; a "estela prisma" de Senaqueribe comemora esta vitória (701 AC). Depois que o império Assírio entrou em colapso, Jaffa foi conquistada pelos Babilônios, que expulsaram os habitantes Filisteus, assim como fizeram com os Judeus de Judá. Os Filisteus não retornaram.
O período é reconhecido principalmente através de cacos de cerâmica encontrados em camadas de preenchimento (estrato III). A escassez de restos atesta um baixo nível de esforços de construção. Várias seções de muros e pisos, no lado norte do portão, são, aparentemente, restos de uma fortaleza que se estendia ao longo do lado norte do monte. As camadas de aterro e fossos de detritos no lado sul (Área I) demonstram que esta parte do sítio já estava fora da zona habitada. Os achados aqui representam restos da Idade do Ferro I (séculos XI e início do X AC) e da Idade do Ferro IIB (século VIII AC). Jaffa III B (século IX) continha cerâmica filistéia. Jaffa III A (século VIII) tinha uma parede maciça de pedra com uma largura de 0,80 m. No final da Idade do Ferro IIB ou talvez no início do Ferro IIC, um talude de tijolos foi construído que era tinha pelo menos 10 m de altura e recobria do lado do nordeste da colina. Se esse talude de tijolos foi construído ao redor de toda colina não é claro, posto que o único talude descoberto mais para o sul, na área A, era de calcário esmagado e ainda tem que ser datado. Com base na linha do talude em Áreas B e G, no entanto, este talude de calcário é um bom candidato para a continuação sul das defesas da Idade do Ferro. Pouco tempo após a construção desta talude de tijolos, um preenchimento de mais de 1,5 metros foi depositada sobre os tijolos, e um segundo talude foi construído, desta vez de grandes placas de pedra. A cerâmicas encontrada dentro de ambos os talude e no preenchimento sugere que os talude foram construídos, no máximo, no final do século VIII AC ou, talvez, no início do século VII. Eles provavelmente marcavam a fronteira leste da parte alta da cidade de Jaffa na Idade do Ferro Tardia, embora cacos de cerâmica da Idade do Ferro IIB-C foram encontrados mais a leste, sob as ruínas da cidade baixa de Jaffa do otomano.
Período Persa (Estrato II) (539 a 332 AC)   
         Ciro o Grande da Pérsia venceu os Babilônios e impôs o domínio persa na região. De acordo com uma inscrição de Sidon, do século VI ou V AC, a cidade foi doada pelo rei da Pérsia para Eshmunezer, rei de Sidon.
          Na área do portão um muro de pedras aparelhadas do período persa foi encontrado descansando diretamente sobre as paredes de tijolo da Idade do Bronze Final. Os restos do período persa (estrato II) foram encontrados acima do aterro da Idade do Ferro e incluiu as fundações e paredes de pedra típicas da técnica de construção fenícia: Segmentos de pedras emparelhadas com um preenchimento de pedras não lavradas entre elas. A julgar pelo seu conteúdo, estas estruturas serviram como armazéns e oficinas e foram submetidos a reparo e alteração freqüente. Jaffa II (século V) tinha vestígios de um grande templo, cujas paredes eram constituídas de pilastras de cascalho e enchimento de pedras sobre as fundações de um templo anterior da Idade do Bronze Médio II B. Encontraram-se também restos de várias forjas e objetos de metal (foices, armas, pontas de flechas e ferros de lanças).
Período Helenístico (Estrato I) (332 a 31 AC)
         Alexandre, o Grande, estacionou seus exércitos em Jaffa e a cidade foi colonizada pelos gregos no período helenístico (333-63 AC). Em 318 AC, o Faraó Ptolomeu I do Egito colocou uma guarnição em Jaffa. Em 315 AC, Antígono I Monoftalmo em luta contra os outros generais de Alexandre, após sua morte, sitiou e capturou Jaffa. Em 301 AC Jaffa caiu novamente sob o domínio de Ptolomeu I. Os faraós Ptolomaicos do Egito concederam à cidade de Jaffa autonomia e o direito de emitir moedas. Os reis selêucidas da Síria capturaram a cidade em 200 AC e a helenizaram. Quando os Macabeus se revoltaram contra os reis selêucidas, 200 judeus foram afogados em Jaffa; como vingança, Judas Macabeu queima seu porto. Em 143 AC, Jaffa foi ocupado por Simon Macabeu (dinastia judaica dos Hasmoneus), que a tornou uma cidade judaica, reconstruiu sua fortaleza e melhorou seu porto, que se tornou o principal porto do reino de Judá (1 Macc 11:1-6; 12:33-34; 13:11; também Ant XIII.6.4.). Em 134 AC, o rei Seleucida Antíoco VII Sidetes retoma Jaffa após a morte de Simon, mas João Hircano a recupera. Em 113 AC, Jaffa foi retomada pelo rei Seleucida Antíoco IX Ciziceno e aduanas foram colocados no comércio. No entanto, Roma decreta que Jaffa deve ser devolvida ao Hasmoneans (Ant. XIV.10.22). Jaffa fica sob domínio Judeu até que o general Marcus Antonius dá a cidade para sua amante, a rainha egípcia Cleópatra VII a Grande.
           Jaffa I tinha restos de uma fortaleza quadrada em pedras aparelhadas e com paredes de 2,5 m de largura (século III AC), com bacias (IB). Em Jaffa IA havia paredes de pedra com casamatas datados do período Hasmoneano. Muros em lava e tijolo foram construídos sobre antigos muros do período Persa, e um altar de pedra de 2,4m de lado assentava-se sobre uma peça de 4,90x5,30m, análoga aos lugares de culto cipriotas. Perto da igreja de São Pedro não se acham traços de ocupação antes do período Persa, mas 6 níveis foram determinados indo do século VII e VI até o I AC (casa particular com cisterna); há, também, catacumbas de pedra trabalhada dos séculos I e II DC. Objetos gregos importados foram descobertos em abundância a partir deste período, entre eles uma âncora de pedra e algumas moedas. De acordo com a cerâmica e moedas descobertas nas camadas mais superficiais, os edifícios continuaram em uso, com alterações, no período helenístico (Estrato I). Também foi achado uma estátua de Afrodite e 3 cacos de cerâmica inscritos em grego.
Período Romano (31 AC-330 DC) Período Byzantine (330 DC-636)
           Após a morte de Cleópatra VII, o imperador romano Augustus deu Jaffa para Herodes o grande, rei de Israel, mas este pouco depois construiu o porto de Cesaréia, motivando a decadência de Jaffa. Jaffa foi uma das cidades judaicas mais ativas na Primeira Revolta Judaica. Durante a repressão romana à revolta, Cestius Gallus mandou um exército desde Cesaréia que capturou e queimou Jaffa em 66 DC (Guerras II.18.10). O historiador judeu romano Flávius Josefus Roman (Guerra Judaica 2,507-509, 3:414-426) escreve que 8.400 habitantes foram massacrados. Piratas passaram a operar a partir do porto reconstruído, provocando a ira de Vespasiano, que usou a cavalaria para retomar Jaffa em 68 DC (Guerras III.9.2). Ele arrasou a cidade e ergueu uma fortaleza em seu lugar, instalando uma guarnição romana lá. Os romanos reconstruíram a cidade, mas em uma escala menor e a derem à província da Síria. É em Jaffa, então chamada em grego Ἰόππη (Ioppe  latinizado como Joppa), que São Pedro ressucitou Tabitha (grego Dorcas, Atos 9:36-42). Foi também em Jaffa que ele teve a visão (Atos 10:10-23) de uma folha grande cheia de animais "puros" e "impuros" sendo baixada do céu, juntamente com uma mensagem do Espírito Santo para acompanhar vários mensageiros a Cornelius em Cesaréia. Em 270-272 DC Jaffa esteve sob o domínio da Rainha Zenóbia de Palmira. Durante os primeiros séculos do cristianismo, Jaffa foi uma localidade romana e bizantina poucto importante, que só no século V tornou-se um bispado. Jaffa servia de porto para os peregrinos cristãos que iam a Jerusalém.
Habitação encontradas nas áreas B, D, e G são do período Helenístico Tardio ou Romano Inicial. Em algum ponto durante estes dois períodos, parece que uma parte da colina foi removida ou aplainada. A camada de preenchimento maciço foi identificada nas áreas D e G que cortam todas as camadas anteriores. Este preenchimento foi, por sua vez, cortado em, em algum momento durante o período romano, e um grande tannur (forno) foi construído. A quantidade de cerâmica encontrada dentro e em torno deste tannur, que foi quase totalmente preservado, sugere que ele era parte de um centro de produção de cerâmica.
No cemitério judaico em Abu Kabir (Giv'at Herzl), existem muitos túmulos, que datam do Império Romano Tardio ​​até a época Bizantina, que dão uma impressão da comunidade judaica do período Mishnaic-talmúdico. O cemitério já foi escavado no século XIX por um arqueólogo francês. Lápides portavam inscrições em hebraico, aramaico e grego. Duas tumbas adicionais foram descobertos em 1991.
Período Medieval (636 DC-1515)
Em 636 DC Jaffa foi conquistada pelos árabes sob Amr Ibn al -As. Os califas Omíadas investiram grandes esforços no desenvolvimento de uma frota muçulmana e na renovação dos portos marítimos na Palestina e na Síria. Trabalhos de restauração e fortificação foram realizados em Tiro, Acre, Cesaréia, Jaffa e Ascalon. Unidades militares árabes guarneciam esses portos. Sob o governo islâmico, serviu como porto de Ramla, então a capital da província. Ahmad Ibn Tulun (878-884) construiu a cidadela (qal'a) de Jaffa. A dinastia árabe fatímida do Egito, com um exército predominantemente bérbere, invadiu a região em 970, data que marca o início de um período de guerras incessantes entre inúmeros inimigos que destruíram a Palestina, e, em particular, devastaram sua população judaica. Em 971 os Qarmatis colocaram cerco a Jaffa sem sucesso. Em 1016 um terremoto atingiu a região. Em 1033 Jaffa foi devastada após um terremoto seguido de tsunami. Em 1077 Jaffa foi atacado por Turcomanos e seu governador, Razin al- Dawla Intisar fugiu para a cidade de Tiro, junto com todos os habitantes da cidade, e os muros de Jaffa foram destruídos por ordem de Atsiz b. Uwaq.
Jaffa foi a primeira cidade ocupada pelos cruzados na Terra Santa, depois de ter sido abandonada por seus habitantes e arrasada pelos fatímidas, com a aproximação dos exércitos da Primeira Cruzada em 1099. Durante o período das cruzadas era um porto menor, ofuscada pelo de Acre e Tiro. Apesar de seu mau porto, que só podia ser usado no verão, Jaffa foi o principal porto do Reino Latino de Jerusalém ao sul de Akko e serviu como porto de Jerusalém. Jaffa foi o centro do Condado de Jaffa e Ascalon, um dos quatro grandes condados vassalos do reino de Jerusalém (os outro foram Sidon, a Transjordânia e a Galiléia), e foi chefiado pelo conde Rodger, seigneur de Rosay. Jaffa também tornou-se um bispado sob a jurisdição do arcebispado de Cesaréia. No início da história do reino de Jerusalém, a cidade fortificada de Jaffa foi dada a Hugh II de Le Puiset. A família Ibelin adquiriu o senhorio pelo casamento após a morte de Baldwin de Ramla, o filho de um dos cruzados originais, em 1138. Em 1101 Godofredo de Bouillon reconstruiu e refortificou Jaffa e negociou uma trégua com os senhores muçulmanos locais. Jaffa foi defendida com sucesso seis vezes contra ataques dos fatímidas do Egito entre 1101 e 1123. Em 1101 um exército fatímida egípcio de 20.000 sitiou Jaffa, mas abandonou o sítio após a chegada de uma frota de socorro genovesa com 32 navios; os genoveses receberam como recompensa uma rua em Jaffa. Em 27 de maio de 1102 o exército cruzado sob o comando do rei Balduíno encontrou o exército fatímida egípcio, que estava sitiando Jaffa; embora em muito menor número, os cruzados estavam bem disciplinados e fortalecidos pela presença da relíquia da “Verdadeira Cruz”, e foram capazes de derrotar os seus adversários, levando um botim numeroso (Primeira Batalha de Jaffa). Em 1103 Balduíno reconstruiu a cidade e defendeu-a contra duas tentativas de cercos pelos fatímidas. Ao Patriarca Arnulf foi concedido terras para a construção de um cemitério para a igreja de São Pedro. Em 1105 os fatímidas sitiaram Jaffa novamente sem sucesso. Em 1110 uma frota de sessenta navios trouxe 10.000 noruegueses e ingleses para Jaffa. Em 1113 o fatímidas de Ascalon falharam novamente em um cerco contra Jaffa. Em 1114 a Igreja de São Pedro foi dada ao Patriarca da Igreja do Santo Sepulcro. Em 1115 o fatímidas de Ascalon falharam novamente em um cerco contra Jaffa, mas eles queimaram seus portões. Em 1121 os fatímidas sitiaram Jaffa novamente, mas o cerco foi abandonado quando uma força de socorro chegou. Em 1121 uma frota egípcia foi destruída pelos venezianos em um cerco falho de Jaffa; os Venezianos receberam como recompensa uma rua, banho, e forno em Jaffa. Em 1133 Jaffa se rebelou contra o rei Fulke de Jerusalém. Como resultado da batalha dos Cornos de Hattin, em 1187, onde quase todos os cavaleiros cruzados foram mortos ou presos, Jaffa entregou-se a al-Melek al-Adel Seif ed-Din, irmão de Saladino, que massacrou 20 mil cristãos na processo. Os muros de Jaffa foram destruídos quando a cidade foi abandonada por Saladino, e esta se rendeu ao rei inglês Ricardo I Coração de Leão em 10 de setembro 1191, três dias depois da batalha de Arsuf. Em 1192 Ricardo I voltou para Acre, e Saladino tomou e saqueou Jaffa. Henry de Champanhe juntou-se a Ricardo I na reconquista de Jaffa. Em 28 de junho de 1192 Saladino fez um ataque inesperado contra Jaffa. A coragem extraordinária da guarnição ganhou apenas o tempo suficiente para a notícia chegar a Ricardo I que estava então no Acre. Ele navegou para Jaffa, pegando Saladino de surpresa no dia 1 de Agosto e forçando-o a retirar-se quando estava a beira da vitória. Ricardo I tinha muito poucos homens para defender os muros destruídos de Jaffa, então ele montou um acampamento fora da cidade. Saladino viu a oportunidade e, depois de uma marcha noturna, ordenou aos seus homens para atacar na madrugada do dia 5 de agosto. Mas Ricardo I conseguiu por seus lanceiros e besteiros em ordem de batalha, e as tropas de Saladino, apesar de sua grande superioridade numérica, ficaram tão desmoralizado que se retiraram. A doença de Ricardo I em Jaffa e seu desejo de voltar para casa o levou a assinar em 02 setembro de 1192 o Tratado de Jaffa, uma trégua de três anos com Saladino, pelo qual os cristão iriam manter uma estreita faixa de terra entre os portos de Tiro e Jaffa, tendo os senhores de Antioquia e Trípoli a opção de assinar a trégua também. Em 1193, el-Melek el-Adel sitiou Jaffa, mas esta foi reocupada pelos cruzados vários meses depois. Em 1198 um pequeno contingente de cruzados que guarneciam Jaffa foi massacrado. Jaffa ficou sob poder do Islã até a Quarta Cruzada, quando os europeus retomaram o controle em 1204 e mantiveram seu domínio até 1268. Em 1228-9 o imperador Frederico II, do Sacro Império Romano-Germano reconstruiu os muros da cidadela e limpou o fosso. No ponto mais fraco do castelo sobre o mar ficava a Torre de o Patriarca. Em 1244 Jaffa foi cercado após uma batalha perdida pelos Cruzados contra Kharezmianos. Em 1252-1253 João de Ibelin e o rei francês Luis IX reconstroem os muros com fossos e vinte e quatro torres. Em 1268, Jaffa foi conquistada pelos mamelucos egípcios, liderados por Baibars I, que expulsou os cristãos, e arrasou a cidade e arrancou sua madeira e mármore para a sua nova mesquita no Cairo. Em 1336 O Sultão en-Nasir Nasir-ed-Din Mohammed destruiu o cais para evitar que uma nova forma Cruzada aí desembarcasse. De acordo com o viajante Cotwyk, Jaffa era um montão de ruínas no final do século 16.
Pouco tempo depois da ocupação de Jaffa, em 1099, Godofredo de Bouillon concedeu aos Hospitalários um forno, terrenos e casas na cidade. Sua propriedade aumentou quando em 1194 eles receberam do conde Henrique de Champagne um quarteirão inteiro de Jaffa, que se localizava a noroeste da cidade baixa e se estendia desde a Igreja de São Pedro, abaixo do castelo, para a costa ao norte, onde possuíam duas torres no muro da cidade baixa junto ao mar. A participação dos Hospitalários na cidade aumentou quando estes receberam subsídios adicionais de terra em 1231 e 1238. Em 1196 o conde Henrique de Champagne deu a Ordem dos Cavaleiros Teutônicos um lote de terra em Jaffa e o Papa Celestino III confirmou a doação de uma casa, vinhas e outras possessões. A lista de propriedades mantidas pela Ordem Teutônica em Jaffa, anteriores a 1243, inclui a posse de um lote de terreno localizado perto de seu forno e corte (cúria). Após 1206 houve um castelo teutônico. Os templários tinham uma casa na cidade baixa.  
            No século XII a cidade era composta por duas partes distintas: a cidadela na colina de arenito, o local da antiga Jaffa, e a cidade baixa murada. Dentro do castelo havia a Igreja de São Pedro e as residências do patriarca de Jerusalém e do conde de Jaffa. Havia dois quarteirões na cidade baixa: o dos Pisanos, que ocuparam uma área costeira que tinha um portão na muralha para o mar, e ao norte dele o quarteirão dos Hospitalários. Havia pelo menos dois portões em terra firme, o Portão de Jerusalém e mais ao sul o Portão de Ascalon. Vestígios arqueológicos do período dos cruzados incluem um forno e algumas abóbadas. Os muros possuíam uma escada em caracol, através do qual Ricardo I entrou na cidade em agosto de 1192. Fora da muralha da cidade havia o burgus novus. Uma lápide de mármore do tipo com efígie e inscrição entalhada pertencente a um bispo (morto em 1258) foi achada a 2,5 km ao nordeste de Jaffa em 1874 e agora está na coleção Ustinow na Universidade de Oslo; o desenho inciso mostra um bispo com sua indumentária, incluindo mitra e báculo, e acima dele, à sua direita um anjo acenando um incensário (?). A inscrição diz “No ano do Senhor de 1258, no dia da festa dos santos...”. Esta peça foi encontrada perto do túmulo de Sheikh Murad e provavelmente foi originalmente localizada em uma das principais igrejas de Jaffa. No momento não há restos identificáveis ​​das Ordens Militares. Restos dispersos de ocupações dos períodos Islâmico Inicial e Cruzado de Jaffa se sobrepõe às enormes camadas helenístico-romana. Embora existam poucas características arquitetônicas identificáveis destes dois períodos nas áreas, há uma vasta coleção de cerâmicas Francas (incluindo cerâmicas Port St. Symeon polychrome Sgraffito, Proto-Maiolica, Cypriot Monochrome Sgraffito, and Zeuxippus).
Período Ottomano (1515-1917)
          Em 1515, Jaffa foi conquistada pelo sultão otomano Selim I. O século XVII viu o início do re- estabelecimento de igrejas e albergues para peregrinos cristãos a caminho de Jerusalém e na Galiléia. Em 1642 monges franciscanos iniciaram um estabelecimento para acomodar os peregrinos. Em 1654 um Hospital Latino foi fundado (no lugar da casa de Simão o Cutidor). Durante o século XVIII o litoral em torno de Jaffa era freqüentemente assediada por piratas e isso levou os habitantes a se mudarem para Ramleh e Lydda, onde contavam com mensagens de uma casa de guarda solitária para informá-los quando os navios se aproximavam do porto. O desembarque de mercadorias e passageiros era notoriamente difícil e perigoso. Até boa parte do século XX, os navios tinham que contar com equipes de remadores para trazer a sua carga para terra. Em 1770 o mameluco Ali Bey conquistou Jaffa ao Otomano Osman Pasha. Em 1772 Jaffa voltou para os otomanos, mas em julho o governante mameluco Ali Bey sitiou e Jaffa e a tomou em fevereiro 1773. Em 1775 Mohammed Bey Abu-l-Dhahab sitiou e tomou Jaffa dos partidários de Ali Bey. Em 07 de março de 1799 o general francês Napoleão Bonaparte capturou a cidade no que ficou conhecido como o Cerco de Jaffa, saqueou-a e matou dezenas de habitantes locais. Napoleão ordenou o massacre de milhares de soldados muçulmanos que foram presos após se entregarem ao general francês. A praga acompanhou as tropas de Napoleão e dizimou seus soldados e a população da cidade.
Em 1804, Jaffa foi sitiada por Suleiman Pasha. O governador, que foi nomeado após estes eventos devastadores, Agha A-Sehmi, também conhecido como Muhammad Abu-Nabut (1807-1818), exerceu um governo forte e estável e iniciou uma ampla obra de construção e restauração em Jaffa. Ele se destacou especialmente em projetos de construção de grande escala: ele reconstruiu e erigiu muitos edifícios públicos, (incluindo a Mesquita Mahmoudiya e o Sabil Abu Nabut) e reconstruiu as muralhas da cidade, o porto, e os mercados. Abu Nabbut ergueu um novo portão principal no muro leste (Portão Leste) e selou o resto das portas, e, portanto, regulou a em entrada para a cidade e melhorou a segurança de seus moradores. Em 1820 Isaías Ajiman de Istambul construiu uma sinagoga e albergue para a acomodação dos judeus em seu caminho para as cidades sagradas de Jerusalém, Hebron, Tiberíades e Safed. Esta área ficou conhecida como Dar al-Yehud (árabe para "a casa do judeu") e foi a base da comunidade judaica em Jaffa. A nomeação de Mahmud Aja como governador otomano marcou o início de um período de estabilidade e crescimento para a cidade, interrompido apelas em 1832 pela conquista da cidade pelo egípcio Muhammed Ali. Durante a revolta árabe de 1834 na Palestina, Jaffa foi sitiada durante quarenta dias pelo "montanhistas", que tinham se revoltado contra Ibrahim Pasha. Em 1839, pelo menos 153 judeus sefarditas viviam em Jaffa. No início da década de 1850, o rabino HaLevi alugou um pomar para Clorinda Minor, fundadora de uma comunidade messiânica cristã que estabeleceu Mount Hope, uma iniciativa agrícola para estimular os judeus a se engajar em um trabalho produtivo. Em 1866, a Jaffa American Colony foi fundada por George Adams. Em 1867, a missionária Americana Ellen Clare Miller, visitando Jaffa, registrou que a cidade tinha uma população de cerca de 5.000 pessoas, sendo que 1.000 deles eram Cristãos, 800 Judeus e o resto Muçulmanos. No começo do século XX a população de jaffa aumentou muito. Em 1909 um grupo de judeus saiu de Jaffa e se estabeleceu nas dunas próximo ao mar, a norte de Jaffa, onde tiraram a sorte para dividir os lotes previamente adquiridos, dando origem a Tel Aviv. Outros suburbios judeus de Jaffa foram fundados na mesma época. Em 1917, durante a Primeira Guerra Mundial, as autoridades Otomanas expeliram toda a população civil de Jaffa. Enquanto que aos Muçulmanos evacuados foi permitido o retorno em pouco tempo, os evacuados Judeus tiveram que permanecer nos campos (e alguns no Egito) até depois da conquista britânica.  
Mandato Britânico (1917-1948)
Durante o curso de sua campanha através da Palestina e o Sinai contra os otomanos, os britânicos tomaram Jaffa em novembro de 1917, embora ela permaneceu em observação e fogo dos otomanos. A batalha de Jaffa, no final de dezembro 1917 empurrou para trás as forças otomanas que vigiavam Jaffa e a linha de comunicação entre ela e Jerusalém. Durante o mandato britânico, com a crescente imigração judia para a Palestina, a tensão entre a população judaica e árabe aumentou. Uma onda de ataques árabes durante 1920 e 1921 fez com que muitos moradores judeus fugissem e se reassentassem em Tel Aviv, inicialmente um bairro judeu desolado e marginal a norte de Jaffa. Os motins de Jaffa em 1921, começaram com um desfile do Dia de Maio, que se tornou violenta, tendo manifestantes árabes atacado moradores e construções judaicas. No final de 1922, Jaffa tinha 32.000 moradores e Tel Aviv, 15.000, mas em 1927, Tel Aviv já tinha 38.000. Ainda assim, durante a maior parte da década de 1920 Jaffa e Tel Aviv mantiveram coexistência pacífica. A maioria das empresas judaicas se localizavam em Jaffa, alguns bairros judeus pagavam impostos ao município de Jaffa, muitos jovens judeus que não podiam arcar com os custos da habitação em Tel Aviv residiam lá, e o grande bairro de Manshie era basicamente de população mista. A primeira empresa de energia elétrica na Palestina, embora de propriedade de acionistas judeus, tinha sido nomeada o Jaffa Electric Company. Em 1923, ambas Jaffa e Tel Aviv, começaram um rápido processo de eletrificação com fio através de uma rede conjunta. A revolta árabe de 1936-1939 na Palestina infligiu grande dano econômico e de infra-estrutura a Jaffa. Em 19 de abril de 1936, a liderança árabe declarou uma greve geral que paralisou a economia. A greve começou no Porto de Jaffa, que tinha se tornado um símbolo da resistência árabe. Reforços militares britânicos foram trazidos de Malta e Egito para subjugar a rebelião que se espalhou por todo o país. A cidade velha de Jaffa, com seu labirinto de casas, ruelas sinuosas e sistema de esgoto subterrâneo, servia como uma rota de fuga ideal para os manifestantes que fugiam do exército britânico. Em maio, os serviços municipais foram cortados, a cidade velha foi barricada e as estradas de acesso foram cobertas com cacos de vidro e pregos. Em junho, os bombardeiros britânicos lançaram caixas de panfletos em árabe mandando os habitantes evacuar a cidade no mesmo dia. Na noite de 17 de junho de 1936, 1.500 soldados britânicos entraram Jaffa e um navio de guerra britânico selou as rotas de fuga por mar. O British Royal Engineers (Corpo de Engenheiros Militares Britânico) explodiu casas de leste a oeste criando uma faixa aberta que atravessava o coração da cidade de ponta a ponta. Em 29 de junho, as forças de segurança implementaram mais uma etapa do plano, a abertura de uma faixa de norte a sul. No final, boa parte das habitações da colina de Jaffa foram destruídas pelos engenheiros britânicos. Em 1945, Jaffa tinha uma população de 101.580 habitantes, dos quais 53.930 eram muçulmanos, 30.820 eram judeus e 16.800 eram cristãos. Os cristãos eram em sua maioria ortodoxos gregos e cerca de um sexto deles eram Uniate. Em 1947, a Comissão Especial da ONU sobre a Palestina recomendou que Jaffa fosse incluído no Estado judeu planejado. Devido à grande maioria árabe, no entanto, Jaffa foi em vez disso designada como parte do estado árabe no Plano de Partilha da ONU de 1947. Logo após a aprovação da resolução de partilha da Palestina pela ONU, eclodiu a violência inter-comunitária, o que levou aos prefeitos de Jaffa e Tel Aviv a tentarem acalmar suas comunidades. Uma das principais preocupações para o povo de Jaffa era a proteção do comércio de exportação de frutas cítricas, que ainda não tinha atingido os seus máximos pré-Segunda Guerra Mundial. Em fevereiro o Prefeito de Jaffa, Yussuf Haykal, contatou David Ben-Gurion através de um intermediário britânico tentar garantir um acordo de paz com Tel Aviv. Mas ambos Bem-Gurion e o comandante da milícia Haganá em Jaffa se opuseram. No início de 1948 os defensores muçulmanos de Jaffa consistiam de uma brigada de cerca de 400 homens organizados pela Irmandade Muçulmana. As forças Judias passaram a tentar conquistar Jaffa, enquanto franco-atiradores muçulmanos atiravam em judeus. Em 4 de janeiro de 1948, o grupo judeu paramilitar Lehi detonou um caminhão-bomba do lado de fora do edifício do New Saraya, a antiga Prefeitura Otomana de Jaffa e sede da resistência muçulmana, matando 26 pessoas e ferindo centenas. Em 25 de abril de 1948, o grupo judeu paramilitar Irgun lançou uma ofensiva contra Jaffa, começando com um bombardeio de morteiros, que se prolongou por três dias, durante o qual vinte toneladas de explosivos foram disparados sobre a cidade. Em 27 de abril, o governo britânico, temendo uma repetição do êxodo em massa de Haifa na semana anterior, ordenou que o exército britânico enfrentasse o Irgun o que causou o fim da sua ofensiva. Simultaneamente, o grupo judeu paramilitar Haganah tinha lançado a Operação Chametz ocupando as aldeias do leste de Jaffa e cortando as comunicações da cidade com o interior da Palestina. A população de Jaffa, na véspera do ataque era entre 50.000 e 60.000, sendo que cerca de 20.000 pessoas já tinham deixado a cidade e cerca de 30 de abril só restavam na cidade cerca de 15.000 a 25.000 habitantes. Nos dias seguintes, mais 10.000 a 20.000 pessoas fugiram por mar. Quando o Haganah tomou o controle da cidade em 14 de maio só restavam cerca de 4.000 pessoas em Jaffa. A cidade e os armazéns do porto foram amplamente saqueados. Os 3.800 árabes que permaneceram em Jaffa após o êxodo foram concentrados no distrito Ajami e sujeitos a lei marcial estrita
Estado de Israel
As moradias abandonadas pelos árabes que fugiram foram distribuídas entre imigrantes judeus. Os limites entre Tel Aviv e Jaffa tornaram-se uma questão de discórdia entre o município de Tel Aviv e o governo de Israel durante 1948. A Prefeitura de Tel Aviv desejava incorporar apenas os subúrbios judeus do norte de Jaffa, enquanto o Governo Central queria uma unificação mais completa. A questão também tinha repercussão internacional, uma vez que a parte principal de Jaffa ficava na parte árabe do Plano de Partilha das Nações Unidas, enquanto Tel Aviv não, e não acordos de armistício ainda não tinham sido assinados. Em 10 de dezembro de 1948, o governo anunciou a anexação a Tel Aviv dos subúrbios judeus de Jaffa, o bairro árabe de Abu Kabir, a aldeia árabe de Salama e alguns de seus terrenos agrícolas, e a favela judaica de "Hatikva". Em 25 de fevereiro de 1949, a aldeia árabe despovoada de Sheikh Muanis também foi anexada à Tel Aviv. Em 18 de Maio de 1949, o bairro árabe de Manshiya e parte da zona central de Jaffa foram adicionados, incluindo, pela primeira vez, áreas que no plano de partilha da ONU fariam parte do território árabe. Em 4 de outubro de 1949, o governo decidiu pela unificação permanente de Tel Aviv e Jaffa, mas a unificação real foi adiada para 24 de abril de 1950 devido à oposição concertada do prefeito de Tel Aviv Israel Rokach. O nome da cidade unificada foi Tel Aviv até 19 de agosto de 1950, quando foi renomeada como Tel Aviv-Yafo, a fim de preservar o nome histórico Jaffa. A partir da década de 1990, foram feitos esforços para restaurar monumentos árabes e islâmicos, como as mesquita do Mar e Hassan Bek, e documentar a história da população árabe de Jaffa
Bibliografia:
RACHET, Guy. Dictionnaire de L’archéologieParis: Ed. Robert Laffont, 1983.
SLACK, Corliss K. Historical Dictionary of the Crusades. Oxford: The Scarecrow Press, 2003.
BURKE, Aaron Alexander. Fortified settlements of the Levant during Middle Bronze Age. Chicago: The Chicago University, 2004.
LEMCHE, Niels Peter. Historical Dictionary of Ancient Israel. Oxford: The Scarecrow Press, 2004.
MURRAY, Alan V. The Crusades. An Encyclopedia. Oxford: ABC Clio, 2006.
BOAS, Adrian J. Archeology of the military ordersLondon: Routledge, 2009.
BURKE, Aaron A.; LORDS, Krystal V. Egyptians in Jaffa: A portrait of Egyptian presence in Jaffa during Late Bronze Age. Near Eastern Archaeology 73:1 (2010)
http://archaeology.tau.ac.il/?projection=jaffa-joppa

I- Muro
A conquista da cidade de Jaffa pelo general francês Napoleão Bonaparte após o cerco de 1799 provou a inadequação das muralhas da cidade, e, em 1800, quando esta foi devolvida ao controle turco otomano, os engenheiros turcos e britânicos começaram a reconstruir as fortificações. Esta tarefa foi concluída sob Agha A-Sehmi, mais conhecido como "Abu Nabut" (1807-1818). O muro, construído ao longo da rota do Muro Cruzado, foi restaurado e renovado entre 1809-1822. As fortificações foram especialmente concebidas para lidar com artilharia europeia e, por isso, possuía paredes espessas, com substanciais bastiões nos cantos, capazes de suportar grandes canhões. Os muros de Jaffa eram de fato um continuum de edifícios residenciais conectados uns aos outros que compunham a linha exterior da cidade, e eram usados como uma fortaleza em tempos de crise. Alguns dos materiais que formam parte da parede da mesquita Muhamidiya e das lojas de hoje foram realmente parte de uma seção da muralha original. Jaffa naquela época tornou-se um lugar superpovoado para as pessoas que viviam nela, de forma que aqueles que tinham recursos estabeleciam-se fora da cidade. Mais tarde, no século XVIII, com a expansão da cidade, e a mudança na situação política, a parede tornou-se um obstáculo e sua função protetora deixou de desempenhar um papel relevante. Em 1879 foi começado o processo de demolição das muralhas e, em 1888, o processo foi completado e o fosso foi inteiramente preenchido. Hoje, apenas dois portões e um pequeno troço do muro de Abu-Nabut ainda existem.
Portão Norte (Portão de Jaffa, Portão de Abu Nabut) (HaTsorfin Street, 32.054847, 34.755201)
O Portão de Jaffa (Norte) era o único portão da cidade até a abertura do Portão Leste. O portão não é apenas uma porta de entrada para a cidade, mas também é um complexo residencial completo. No final do século XIX muralha começou a ser demolida e o Portão Norte, que era adjacente a dois edifícios redondos, foi usado até 1869. Apenas um desses dois edifícios permanece até hoje para servir como um lembrete de tempos passados.
O portão norte é formado um grande arco de pedra com abertura em direção para o norte (Mifrets Shlomo Promenade) e sul. Há um edifício a oeste e a leste do arco, ficando o arco bem recuado em relação à rua a norte e a sul. O Portão a norte, para a Mifrets Shlomo Promenade, fica em frente da Mesquita Mahmoudyia. Acima do arco, há mais um andar com duas janelas outrora em arco, mas atualmente retangulares, na face interna e apenas uma na face externa.
Portão Leste (Portão de Jerusalem) (Yefet Street 30) (32.053387, 34.754123)
Em 1816 Abu Nabut ergueu um novo portão principal na parede leste e selou o resto das portas, e, portanto, regulou a entrada na cidade e melhorou a segurança de seus moradores. O novo portão foi conhecido pela sua forma magnífica: tinha dois arcos separados com três pequenas cúpulas em cima deles. O portão era um forte posto de guarda equipado com canhões, e aqui todos os que entravam na cidade fortificada eram examinados. O portão era também conhecido como Portão de Jerusalém, pois dele partiam as principais estradas que levam à Jerusalém. Fora do portão e em torno dele ficavam os mercados da cidade.
O portão é formado de dois arcos de pedra paralelos, com um vão livre no meio. Um lado abre para a rua Yefet e o outro para a rua HaTsorfim. O arco fica encravado de cada lado na fachada de um edifício já bastante desfigurados.

   Jaffa, vista de satélite. 1. Torre do relógio, 2. New Saraya, 3. Mesquita Mahmoudiya, 4. Kisla, 
5. Old Saraya, 6. Igreja de São Pedro, 7. Templo do Leão, 8. Portão da Fé, 9. Portão de Ramsés II, 10. Portão Norte, 11. Portão Leste. Em amarelo o contorno aproximado das muralhas do século XIX

Mapa de Jaffa, onde se vê o contorno das muralhas
Mapa de Jaffa, onde se vê o contorno das muralhas, 1918



Portão leste

Portão leste
Portão leste



Portão Norte, lado interno. Observe ao fundo, após o arco
a Sebil Sulaiman
Portão Norte, lado externo
Portão Norte, lado externo (foto do autor)

II - Templo do Leão (Lion Temple)
1 – Localização:
 

             Pisga Garden (32.054823, 34.753199)
2 – Histótico: 
           O Templo do Leão, que foi parcialmente destruído por uma parede de tijolos cinza datada do Bronze Final II B, deve datar da Idade do Bronze Final IIA (Estrato V, do século XIV AC). O conjunto cerâmico de Área A revela uma presença predominantemente cananéia no Templo do Leão e seus arredores sugerindo que o templo era uma estrutura cananéia. O templo media 4,40 m por 5,80 m, com uma entrada para o norte e o pavimento de gesso branco, debaixo de uma camada de tijolos caídos. Duas colunas, das quais apenas as bases restaram, suportavam o teto. No canto sudoeste ficava uma "estande de oferecimento" e no canto sudeste desta estrutura, no piso do templo, foi descoberto o crânio de um leão com dentes ferozes e perto da boca foi encontrado um meio selo em forma de escaravelho, da rainha Tiy, esposa de Amenhotep III. O escaravelho não foi preso na juba do leão. O crânio não foi deixado com a sua pele e juba intacta e adornado com "vários ornamentos", mas, ao contrário, tinha sido esfolado antes de ser abandonado nesta estrutura. Crânios de Leão foram encontrados em outros sítios, bem como, por exemplo, em Dan. Em Jaffa parece ter havido um culto ao leão.
3 – Descrição: 
            As ruínas se encontram escavadas em um nível mais baixo que o nível da praça envolta. A área é cercada por grades. Dentro se pode ver restos dos muros do templo.
4 – Visitação: 
           Fica em uma praça pública e pode ser visitada a qualquer hora.
5 – Bibliografia:
RACHET, Guy. Dictionnaire de L’archéologie. Paris: Ed. Robert Laffont,1983.
ACHTEMEIER, P.J. The Harper Collins Bible Dictionary, Revised Edition, 1996.
MILLER, Stacey Jennifer. The Lion Temple of Jaffa: Archaeological Investigations of the Late Bronze Age Egyptian Occupation in Canaan.

     The Temple of the Lion, which was partially destroyed by a gray brick wall dated to the Late Bronze IIB, must date from the Bronze Age Final IIA ( Stratum V, 14th century BC). The ceramic set of this area reveals a predominantly Canaanite presence in the Lion Temple and its surroundings suggesting that the temple was a Canaanite structure. The temple Average 4.40 m by 5.80 m, with an entrance to the north and white plaster floor under a layer of fallen bricks. Two columns, of which only the foundations remain, supported the roof. At the southwest corner stood a "stand offering" and in the southeast corner of this structure, on the floor of the temple, it was discovered the skull of a lion with fierce teeth and near its mouth, a half seal in the form of a scarab, from Queen Tiy, wife of Amenhotep III. The scarab was not attached in the lion's mane. The skull had been skinned before it was abandoned in this structure.
Mapa da área de escavação. O templo do Leão é a estrutura em vermelho. Observe a base das duas colunas;
Templo do Leão (foto do autor)
Templo do Leão (foto do autor)
Templo do Leão (foto do autor)
Templo do Leão (foto do autor)
Templo do Leão (foto do autor)
III – Portão de Ramsés II (ca. 1279-1213) (Ramses Gate)
1 – Localização: 
            Sha’ar Ra’amses Garden
2 – Histórico: 
        No início do reinado de Ramsés II o portão da cidadela, já com décadas de idade, foi remodelado e equipado com uma fachada de pedra monumental. O portão tinha pedras aparelhadas e uma inscrição mencionando o Faraó Ramsés II. A primeira fase da torre sul do portão tinha uma largura de 5m. A torre foi formada de tijolos vermelhos e amarelos (barro vermelho [Hamra] e barro vermelho misturado com kurkar esmagado respectivamente). A secção sobrevivente do sudoeste da torre atinge uma altura de cerca de 2,50m acima do corredor de passagem. No lado norte do corredor de passagem, o muro era mais estreito e foi quase completamente demolido em períodos posteriores. Um estreito canal de drenagem feito de seixos corria pelo meio do portão (Área L). No lado ocidental do corredor de passagem do portão foram descobertas várias pedras da soleira interna do portão. Sua posição irregular indica que elas foram movidas de sua posição original antes do colapso do portão. Os blocos esculpidos em arenito kurkar local, com inscrições e rebocados e pintados com cal são as características mais evidentes da Jaffa egípcio até agora recuperados de escavações. Os fragmentos não foram encontrados, no entanto, in situ, mas foram reutilizados na reconstrução seguinte do portão, que teve lugar depois de seu reinado. 
           O portão de Estrato IVB foi destruído em um intenso incêndio. Uma camada de destruição de cerca de 1,50m de espessura, que continha tijolos queimados e vigas de madeira carbonizadas caídas da superestrutura do portão, preenchia o seu corredor de passagem. As chamas também destruíram uma parte considerável da parede de tijolos da torre sul no lado voltado para o corredor de passagem do portão. Embora não seja totalmente claro que o estado final do portão de Ramsés II tenha sido o resultado de um ataque, os muros do corredor de passagem do portão já se erodindo justificaram a reparação, o que resultou em uma passagem mais estreita. 
3 – Descrição: 
          Os blocos originais de arenito inscritos com os títulos e nomes de Ramsés II foram colocados no Museu de Arqueologia de Jaffa. Compreendem 4 blocos fragmentados irregulares da fachada exterior do portão de Ramsés II. O local da descoberta foi deixado exposto e cercado por grades. No local original da descoberta foi construído em 1991 por R. Ventura e Z. Herzog um modelo da fachada do portão com as inscrições. 
4 – Visitação: 
           Fica em uma praça pública e pode ser visitada a qualquer hora.
5 – Bibliografia:
http://archaeology.tau.ac.il/?projection=jaffa-joppa

Jaffa was an Egyptian fortress in Canaan and early in the reign of Ramses II it had the gate of the citadel refurbished and equipped with a monumental facade of stone. The gate had dressed stones and an inscription mentioning the Pharaoh Ramses II. The blocks, carved in local Kurkar sandstone, with inscriptions and plastered and painted with lime were not found, however, in situ, but were reused in the following reconstruction of the gate, which took place after his reign. The gate of Stratum IVB was destroyed in an intense fire. The original sandstone blocks inscribed with the titles and names of Ramses II were placed in the Museum of Archaeology of Jaffa. They comprise 4 irregular fragmented blocks of the exterior facade of Ramses II gate. The discovery site was left exposed and surrounded by railings. In the site of the original discovery, a model of the facade of the gate with inscriptions was built in 1991 by R. Ventura and Z. Herzog.
Parque Sha’ar Ra’amses, vendo-se ao fundo a área onde fica o portão
Parque Sha’ar Ra’amses, vendo-se o gradil e depois a área escavada com ruínas
e depois o modelo do o portão
Modelo dos lintéis do Portão de Ramsés, no parque. Observe as ruínas em volta.
 Note também como a área está abaixo do piso atual do parque (foto do autor)
Modelo do lintel do lado esquerdo
do Portão de Ramsés, no parque.
(foto do autor)
Modelo do lintel do lado direito
do Portão de Ramsés, no parque.
(foto do autor)
Modelo dos lintéis do do Portão de Ramsés, no parque. (foto do autor)

Modelo dos lintéis do do Portão de Ramsés, no parque. (foto do autor)
Fragmento original com inscrições do Portão de Ramsés,
Museu de Arqueologia de Jaffa
Fragmento original com inscrições do Portão de Ramsés,
Museu de Arqueologia de Jaffa
Fragmento original com inscrições do Portão de Ramsés,
Museu de Arqueologia de Jaffa
Fragmento original com inscrições do Portão de Ramsés,
Museu de Arqueologia de Jaffa
Os 4 Fragmento original com inscrições do Portão de Ramsés,
Museu de Arqueologia de Jaffa
IV – Portão da Fé (Gate of Faith)
1 – Localização: 
           Abraham Shechterman Garden (32.054208, 34.753178)
2 – Histórico: 
          O Portão da Fé é uma grande escultura, feita de pedra da Galiléia pelo escultor Daniel Kafri de Jerusalém, entre os anos 1973-1975. A escultura fica no alto da colina de Jaffa, no Jardim Abraham Shechterman em Old Jaffa.
3 – Descrição: 
       A escultura, de dois pilares de quatro metros de altura sobre a qual repousa uma pedra transversal, também de 4 metros de comprimento, assemelha-se a um portão. A escultura é em estilo arte contemporânea, havendo necessidade de muita imaginação e explicação para se entender o que ela representa. O portão esculpido é um símbolo da porta de entrada para Israel, que descreve a Terra Prometida ao Povo de Israel através da história da ligação de Isaac e Abraão, do sonho de Jacó e da ocupação da terra por Josué. Nos dois pilares aparecem os três Patriarcas, que receberam a promessa, e a pedra do topo significa o início da realização dessa promessa, através da captura de Jericó e da Terra de Israel por Josué. Uma coluna descreve Isaac sendo amarrado, quando Abraão olhou de lado para o carneiro e pegou seu filho, Isaac, que está deitado com o rosto dirigido para cima. O segundo pilar representa o sonho de Jacó, onde a terra foi prometida a sua descendência. Jacó repousa sobre a terra e a pedra está sob sua cabeça. Acima dele estão dois anjos, um ascendente e outro descendente, voltados para direções opostas, e o ritmo das asas cria uma associação com uma escada. A viga superior representa o cumprimento, e descreve a conquista de Jericó, com os sacerdotes andando em torno da cidade de Jericó com trombetas nas mãos e levando a Arca da Aliança.
4 – Visitação: 
         Fica em uma praça pública e pode ser visitada a qualquer hora.
5 - Bibliografia
http://www.israel-travel-ideas.com/old-jaffa.html

     It is a large sculpture, made out of Galilee stone, sculpted by the sculptor Daniel Kafri of Jerusalem between the years 1973-1975. The statue stands at the top of the Abraham Shechterman Garden in Old Jaffa. The sculpture resembles a gate and has two 4m tall pillars upon which rests a stone, also 4m in length. The sculpted gate is a symbol of the gateway to Israel that describes the Promised Land to the People of Israel through the story of the binding of Isaac and Abraham, Jacob's dream and the conquest of Jericho by Joshua. 
Portão da Fé (foto do autor)
Portão da Fé, vista noturna (foto do autor)
Mediterrâneo visto da cidadela. ao fundo Tel Aviv (foto do autor)
Vista desde a cidadela para a Mifrats Shlomo Promenade.  Ao fundo o
mar Mediterrâneo (foto do autor)
Vista desde a cidadela para a Mifrats Shlomo Promenade. Ao fundo
Tel Aviv (foto do autor)
Vista desde a cidadela para a Mifrats Shlomo Promenade. Ao fundo
Tel Aviv e o mar Mediterrâneo (foto do autor)
Ha Muze'on Garden (foto do autor)
HaMidron Garden (foto do autor)
HaMidron Garden. Canhões otomanos (foto do autor)
HaMidron Garden. Canhões otomanos (foto do autor)
Rochedos de Andrômeda, 1898-1946. Diz-se que aqui ficou acorrentad
Andrômeda até ser salva por Perseus.
Rochedos de Andrômeda (foto do autor)

Rochedos de Andrômeda (foto do autor)