domingo, 13 de abril de 2014

BRASIL: RJ: RIO DE JANEIRO:
Chafariz do Monroe - 
Monroe's Fountain

1 – Localização: 
Município do Rio de Janeiro. Ap 1.1. Centro. Praça Mahatma Gandhi (-22.912494, -43.175428)
2 - Histórico: 
O Chafariz do Monroe foi fundido em 1861 na célebre fundição Societé Anonyme des Hauts-Fourneaux & Fonderies du Val d’Osne, mais conhecida como Val D´Osne, na França, por Mathurin Moreau. Em 1878, enquanto visitava a Feira Internacional de Viena, Don Pedro II se encantou com a obra e resolveu adquiri-la para ornamentar a cidade do Rio de Janeiro. Foi instalado primeiramente no Largo do Paço, atual Praça XV. Em 1962, quando da construção da Av. Perimetral, o chafariz foi levado para a Praça da Bandeira. Em 1979 foi transferido para o lugar do antigo Palácio Monroe. Seu nome deriva de ter sido erguido no local onde se erguia o Palácio Monroe, que recebeu este nome em homenagem ao referido presidente dos E.U.A. Os ornatos de ferro que completavam a cercadura da fonte desapareceram na ocasião em que o chafariz foi montado. Então dois conjuntos de anjos de mármore em estilo rococó, que não faziam parte do projeto original, achados nos almoxarifados da Prefeitura do Rio, de origem e destino desconhecidos, foram colocados na base do chafariz em substituição aos golfinhos de ferro perdidos.
3 – Descrição: 
Trata-se de um chafariz no estilo Napoleão III de ferro fundido de 12 metros de altura, o maior chafariz do Brasil e um dos maiores do mundo. É considerado, também, um dos mais bonitos do mundo. O chafariz é constituído por peças independentes que formam o conjunto artístico. Há uma grande base circular de pedra com quatro degraus, sobre a qual ergue-se um grande tanque circular. Nos degraus, dividindo a base em 4, há 4 grupos de dois anjos rococós em mármore (não originais). No centro sobre uma base de granito nacional fica o chafariz. A sua parte mais inferior é formada de 4 grandes bacias de ferro de 1m de altura, com eixos nordeste, sudeste, noroeste e sudoeste. Separando-as há uma estrutura cruciforme que se projeta para fora em uma decoração de plintos com mascarões (4 ao todo) sobre os quais ficam frontões semicirculares e com volutas, nas direções norte, sul, leste e oeste, tendo cerca de 1m de altura. Sobre cada uma projeções da estrutura cruciforme fica uma figura de 2,50m de altura (Cariátide vestida, atlante velho, cariátide seminua e atlante jovem) sustentando, cada um, uma grande taça quase circular (nordeste, sudeste, noroeste e sudoeste) e tendo entre cada uma destas figuras outra bacia circular menor. A Cariátide vestida (sul) representa uma mulher vestida com túnica larga e com amplo decote, com cabeça abaixada, guirlanda de flores presa com fita nos cabelos, braços levantados e sentada com as pernas cruzadas; tem dois pequenos zéfiros ao seu lado. A Cariátide seminua (norte) representa uma mulher de torso nu segurando com a mão um manto esvoaçante sobre o ombro direito, de pernas recobertas com farto manto pregueado e pé direito cruzado sob a perna esquerda; tem dois pequenos zéfiros ao seu lado. O Atlante velho (leste) representa um homem idoso, com barba e bigode longos, seminu, sentado sobre amplo manto que lhe recobre o braço direito, suas costas e se enrola em sua coxa direita, enquanto seu pé direito toca com a ponta o casco de uma tartaruga; tem dois pequenos zéfiros ao seu lado. O Atlante jovem (oeste) representa um homem moço, de barba curta, seminu, mas com um longo manto pregueado que se enrola no ombro direito, descendo-lhe pelas costas e cuja perna esquerda se cruza sobre a direita; tem dois pequenos zéfiros ao seu lado.
Atrás das estátuas, no eixo vertical central do Chafariz, fica o plinto do chafariz. Este tem a forma octogonal, com as faces angulares menores com volutas e as maiores (nordeste, sudeste, noroeste e sudoeste) contendo cada uma, na base, 5 florões decorativos com uma bica ao centro, e no plinto, um medalhão. A base do plinto tem 30 cm de altura e o plinto 1,75 m. Acima, no centro, fica o pedestal dos continentes de 1,60m de altura. Ele tem forma octogonal com arestas angulares salientes com uma face barbada (Tritão) e volutas e base bifurcada prolongando-se para baixo. Ao centro de cada uma das quatro faces, há uma placa retangular com o nome de um continente (África, América, Ásia e Europa), tendo uma decoração floral acima e abaixo do nome. Acima do plinto fica a alegorias dos continentes (América, a Europa, a Ásia e a África), formado por 4 meninos segurando um disco de sustentação para o prato circular. As 4 alegorias de 1,85 m de altura estão dispostas lado a lado, sobre uma base lisa octogonal, ao redor do eixo central do chafariz. A África é representada por um menino nu e em pé, de traços negróides e de cabelo curto encaracolado. Sua perna esquerda está levemente dobrada e pisa a cauda de um leão cuja pele traz às costas; a cabeça do animal está à altura da cintura, entre esta alegoria e a América, e à esquerda, abaixo, além das 2 patas restantes do leão, vê-se um arco de caça com a corda frouxa. A América é representada por um menino de olhos amendoados, sobrancelhas grossas, e cabelos compridos penteados para trás, em rabo-de-cavalo; as suas pernas estão cruzadas e os braços levantados. Como adereço, usa um colar de dentes de animal e brinco. Com a mão esquerda segura um amplo manto drapeado, com franjas, que se enrosca em uma lança. Veste um saiote curto de pelica, preso por cinturão tacheado na parte de cima, que prende uma faca, e um cordão de argolas na de baixo. A Ásia é representada por um menino vestido com um pano curto, amarrado à cintura e com a ponta caída para a frente. Na cabeça, levemente inclinada para baixo, porta um turbante enrolado com as pontas caindo sobre o ombro esquerdo. Em volta do pescoço, usa 2 colares de metal e um porta-amuleto de couro. Tem os braços erguidos e a perna esquerda ligeiramente flexionada. A Europa é o único dos 4 meninos que está totalmente vestido, embora esteja descalço como os demais. Veste túnica curta, sem mangas, esvoaçante, com farto planejamento e amarrada na cintura. A cabeça, inclinada para baixo, mostra na fronte, uma tiara sobre uma franja de cachos de cabelo. No peito traz um colar metálico com adereço semicircular e pingentes. Acima da alegoria dos continentes fica o prato de aproximadamente 2,60 m diâmetro, tendo a superfície externa dividida em dois registros decorativos: o interno apresenta decoração com caules longos e o externo mostra delicados motivos florais. Acima do prato fica o Pedestal do Pináculo de 1,40 m de altura, composto de pé, haste afunilada, encimados por 8 molduras circulares, intercaladas por triângulos estriados; as molduras servem de painel de fundo a 8 recipientes de florões que trazem, em seus interiores, uma saída d`água. Terminando o chafariz fica o Pináculo com sua Ponta de 1m de altura, com a metade inferior de caneluras e a superior recoberta por folhas pendentes com ornato de pérolas e folhas; o coroamento em campânula lisa e repuxo no topo. Na praça, além da estátua de Mahatma Ghandi, há os seguintes bustos: Adolfo Bergamini (Interventor do Distrito Federal entre 1930 e 1931), Evaristo Braga, Catulo Cearense Augusto Girardet.
3 – Visitação: 
Localiza-se em uma praça pública, aberta sempre à visitação
4 – Bibliografia:
COARACY, Vivaldo. Memória da Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1955.
CRULS, Gastão. Aparência do Rio de Janeiro. 3ª ed. Rio de Janeiro: ed. José Olympio, 1965.
GERSON, Brasil. História das Ruas do Rio. 5ª edRio de Janeiro: ed. Lacerda, 2000.
http://rio-curioso.blogspot.com.br/2007/03/chafariz-do-monroe.html
http://www.aaende.org.ar/ingles/sitio/biblioteca/material/PDF/COTE244.PDF
https://frags.wiki/index.php?title=O_Chafariz_do_Jardim_do_Monroe

Monroe's Fountain: Brazil, State of Rio de Janeiro, City of Rio de Janeiro, Downtown
         It is a beatiful fountain made in France in 1871 and was bought by Emperor Don Pedro II in 1878  and erected it in Praça XV de Novembro. In 1862, it was transferred to the Praça da Bandeira and in 1979 it finished in the Square of the recently demolished Monroe's Palace.

Vista satélite google. O Chafariz é a imagem circular no meio da praça.
Observe à sua esquerda o Passeio Público da postagem anterior
Chafariz na Praça XV. Observe que ainda não há os ornatos de anjos. Ao
 fundo a baía, 1900
Chafariz na Praça XV. Observe à direita o Palácio dos Vice-Reis e à esquerda o
chafariz de Mestre Valentim. Ao fundo a Ilha fiscal, 1910
Chafariz na Praça XV. Observe que aqui já há os anjos rococós.
Ao fundo a torre da antiga catedral na Rua Primeiro de Março. 1930 
Chafariz na Praça XV. O pedaço de edificação à direita é o Palácio dos
Vice-Reis e no centro a estação das barcas. 1878-1962

Chafariz na Praça XV. Observe que na base à esquerda há um golfinho e
 não o grupo de anjos rococós. À esquerda o chafariz de  Mestre Valentim.
Ao fundo a Ilha fiscal, 1878-1962
Chafariz na Praça XV. Observe ao fundo as torres
da Igreja do Carmo
Chafariz na Praça XV. Observe à esquerda o Paço Imperial, no centro ao
fundo o Convento do Carmo (atual Faculdade Cândido Mendes, depois a
torre da Igreja do Carmo e em seguida as 2 torres da igreja da ordem 3a.  do
Carmo, tendo à frente o chafariz do Mestre Valentim. Mais à esquerda o
 prédio onde fica o arco do Teles. 1889-1962
Chafariz do Monroe na Praça XV, 1889-1962. Ainda possui os golfinhos
(canto direito). Ao fundo as torres das igrejas do Carmo e da Ordem 3a.
Chafariz, antes de 1970. Observe os anjos bem evidentes
Chafariz instalado na Praça da Bandeira, 1962-1979
Chafariz instalado na Praça da Bandeira, cerca de 1965
Chafariz no meio da praça. Vista desde a Rua do Passeio (norte) (foto do autor)
Chafariz no meio da praça. Lado leste. As árvores ao fundo correspondem ao
Passeio Público (foto do autor)
Chafariz lado leste. Cariátide seminua e Atlante Velho. Observe à direita o
grupo de anjos de mármore (foto do autor)
Chafariz lado sul. Cariátide vestida e Atlante Velho. Observe à direita o grupo
 de anjos de mármore (foto do autor)
Chafariz.  Lado Sul. Cariátide vestida. Observe 
o grupo de anjos de mármore em primeiro plano 
(foto do autor)
Chafariz lado sul. Observe o grupo de anjos
 de mármore (foto do autor)

Chafariz. Lado Sul. Cariátide vestida.
Observe o grupo de anjos de mármore
 em primeiro plano e a Cariátide vestida
ao fundo  (foto do autor)

Chafariz. Lado Sul. Observe a
Cariátide vestida ao fundo
 (foto do autor)

Chafariz. Lado sul e oeste. Cariátide vestida e o Atlante jovem.
Observe o medalhão no plinto entre as duas figuras (foto do autor)
Chafariz. Lado sul e oeste. Cariátide vestida
e o Atlante jovem. Observe o medalhão
no plinto entre as duas figuras (foto do autor)

Chafariz. Lado sul e oeste. Cariátide vestida
e o Atlante jovem. Observe o brasão
do plinto entre as 2 figuras  (foto do autor)
Chafariz. Lado sul e oeste. Cariátide vestida
e o Atlante jovem. Observe o brasão do
plinto entre as 2 figuras  (foto do autor)

Chafariz. Lado oeste. Detalhe dos anjos
de mármore  (foto do autor)
Chafariz. Lado oeste. Observe o grupo de anjos
 e ao fundo o Atlante jovem (foto do autor)
Chafariz. Lado oeste. Observe o grupo de anjos e ao fundo o Atlante jovem
e nos lados as Cariátides (foto do autor)
Chafariz. Lado norte. Observe o grupo de anjos
 e ao fundo a Cariátide seminua (foto do autor)
Chafariz. Lado norte. Observe o grupo de anjos e ao
fundo  a Cariátide seminua  (foto do autor)
Chafariz. Lado norte. Observe o grupo de anjos e ao
fundo  a Cariátide seminua  (foto do autor)
Chafariz. Lado norte. Observe o a Cariátide
seminua e as alegorias dos continentes
 (foto do autor)

Chafariz. Lado norte e leste.
cariátide seminua e Atlante velho
 (foto do autor)

Chafariz. Lado leste. Anjos
(foto do autor)
Chafariz. Lado leste. Atlante velho (foto do autor)
Chafariz. Lado leste. Atlante velho
(foto do autor)

Chafariz. Lado leste. Detalhe do plinto e frontão.
Observe também a tartaruga ao pé do Atlante velho
(foto do autor)
Busto de Catulo Cearense (foto do autor)
Busto de Evaristo de Moraes (foto do autor)

Busto de Antonio Augusto Girardet
(foto do autor)
Busto de Rodolfo Bergamini (foto do autor)